Excesso de tecnologia: como ela está afetando nossos jovens

16 set, 2019 | Publicado por Líder em Mim

Basta olhar ao redor para constatar o óbvio: o mundo está migrando inexoravelmente para o digital. Em breve, poucas gerações guardarão a lembrança do tempo em que a nossa sociedade era regida pelo estilo de vida analógico: o filme fotográfico, a carta escrita à mão, a tinta do jornal impresso que ficava nas mãos, o telefone de discar.

Mas, se a transição é inevitável – e com ela abrem-se diversas portas para facilitar a vida das pessoas, cabe aos pais e à escola a importante tarefa de dimensionar os efeitos da tecnologia para as crianças e os adolescentes. Estamos falando da adoção de posturas de desenvolvimento e não de superproteção; em vez de restringir ou proibir o acesso à tecnologia, cabe esclarecer e ensinar, já que tablets e smartphones chegaram para ficar e fazem, cada dia mais, parte da vida das famílias e do cotidiano escolar.

Leia mais: As competências socioemocionais e o combate ao bullying

Manual de uso

A importância da participação da tecnologia na infância tem orientado trabalhos de organizações do mundo inteiro, preocupadas em estabelecer diretrizes visando o bem-estar infantojuvenil. A Sociedade Brasileira de Pediatria é uma delas. Em 2016 a entidade criou o seu manual “Saúde de Crianças e Adolescentes na Era Digital”. Em suas páginas há o seguinte alerta: “As tecnologias da informação e comunicação estão transformando o mundo à nossa volta e os comportamentos e relacionamentos de todas as pessoas. Buscar informações e adquirir novos conhecimentos são tarefas quase instantâneas, no clicar do teclado ou no deslizar dos dedos num telefone celular. Crianças e adolescentes fazem parte da geração digital e usam os dispositivos, aplicativos, videogames e a Internet cada vez mais em idades precoces e em todos os lugares. Alguns dos pais, também nativos digitais, não percebem as mudanças ou problemas que vão surgindo, como se tudo já fosse parte da rotina familiar.”

A letra da lei

A Lei nº 12.965 de 2014 – o Marco Civil da Internet, em seu artigo 29º – explicita a necessidade do controle e vigilância parental e a educação digital, como formas de proteção frente às mudanças tecnológicas, em especial sobre os impactos provocados nas famílias e, especificamente, nas rotinas e vivências das crianças e dos adolescentes. Porém, tanto os pais como os educadores nas escolas precisam aprender como exercer esta mediação e serem alertados sobre os riscos e os limites necessários para assumirem esta responsabilidade.

Uma vida mais saudável…

Cabe aos pais decidir como e em qual momento do desenvolvimento infantil irão apresentar a tecnologia a seus filhos. Se nas escolas o computador é uma realidade quase onipresente, muitas famílias optam por desestimular a utilização de eletroeletrônicos para crianças menores de dois anos de idade.

Leia também: (Des)controle das redes sociais

É possível limitar o tempo de acesso conforme a capacidade de interpretação da criança, para que os excessos não interfiram no sono, alimentação, conduta e comportamento delas. Pode-se dizer que até os seis anos, os pequenos não conseguem diferenciar a fantasia da realidade, o que faz imprescindível o monitoramento de conteúdos para que não sejam expostos e se acostumem com a cultura do ódio, os diversos tipos de violência e intolerância.

…E tranquila

Há aqui uma boa oportunidade para estimular nos filhos o desenvolvimento socioemocional: em vez da solidão do computador, a experiência em sociedade. Deve-se fazer um esforço extra para mostrar – através dos exemplos familiares, que há várias outras atividades que podem ser realizadas, com prazer, além das telas digitais: brincar ao ar livre, fazer atividades físicas, programar passeios. A criança que brinca, joga e se cansa – fora do ambiente das redes sociais, demonstra mais calma, é mais alegre, feliz e, principalmente, menos ansiosa.

Em vez de combater a tecnologia, é possível fazer o jovem perceber que as competências socioemocionais – como autoconhecimento, autogestão, empatia e cooperação – podem levar a hábitos mais saudáveis, e, com isso, uma vida mais produtiva e plena.

Fotos: Reprodução

 

0 Comentários

Os comentários estão fechados.