FECHAR

Assine nossa newsletter:

Em família: dicas dos 7 hábitos para envolver as crianças

08 out, 2020 | Publicado por Líder em Mim

Qual a melhor forma de celebrar o Dia das Crianças com os filhos num ano atípico como 2020? Que tal sair da caixinha e, em casa mesmo, se divertir e aprender com atividades que estimulam o socioemocional?  Aliás, não só numa data comemorativa, mas em todos os dias do ano!

Neste post, apresentamos algumas dicas que podem tornar não só o Dia das Crianças mais especial, mas deixar também os dias das famílias mais acolhedores e incríveis.

A partir dos 7 hábitos altamente eficazes, trabalhados pela metodologia do Líder em Mim, levantamos alguns exemplos de atividades e momentos inspiradores para testar em casa, nas ocasiões familiares. Confira!

Hábito 1 – Sobre iniciativa e proatividade!

O Hábito 1 é importante para perceber que o indivíduo está no comando da própria vida. Cada um é responsável pelas próprias escolhas e comportamentos. Desse modo, cada um escolhe também como reagir a outras pessoas e situações. 

Para a proatividade ser exercida de maneira efetiva, é preciso prática e entendimento para fazer perceber quais escolhas são positivas. 

Um exemplo do cotidiano para desenvolver o hábito com as crianças: ao invés de dizer “Limpe seu quarto ou você não vai brincar com os amigos”, tente usar frases como: “Como você se sente vendo seu quarto assim? Se você convidar seus amigos aqui, tudo bem pra você seu quarto desse jeito? Ou gostaria que estivesse diferente?”.

Ao permitir que as crianças tenham mais chances de escolher por si mesmas, a confiança está sendo construída a cada decisão. Os jovens aprendem que, quando fazem boas escolhas, há recompensas. Assim, ficam mais inspirados a tomar iniciativas com assertividade!

hábito

Proatividade parte de criança confiante

Leia também:

Como aplicar os 7 hábitos em casa (Primeira parte)
Como aplicar os 7 hábitos em casa (Segunda parte)

Hábito 2 – Sobre ter missões e objetivos estabelecidos

O Hábito 2 nos convida a ter um objetivo em mente. Aqui, para trabalhar esse traço importante no desenvolvimento das competências socioemocionais, temos uma dica para a família trabalhar em conjunto:  uma missão familiar!

Criar uma missão familiar é, além de definir o que é importante para a família, apresentar profundas raízes históricas. 

E como fazer isso? Simples! Num papel ou em algum arquivo digitalizado, preencher, por partes, cada aspecto da missão com as seguintes informações:

-Algo que represente/simbolize o nome de sua família. 

-Algo que represente um valor ou valores que sua família possui.

-Algo que representa uma tradição familiar.

-Algo que representa o que vocês gostam de fazer juntos.

-Por fim, uma palavra, várias palavras ou uma citação pela qual sua família vive.

Criar uma missão familiar é um processo gratificante que não só define as expectativas dentro da família, mas também solidifica a história vivida por ela.

A missão familiar revela raízes profundas

Hábito 3  – Sobre começar com o mais importante

Colocar as coisas mais importantes em primeiro lugar é um hábito sobre prioridades. Todos nós fazemos malabarismos em nossas vidas, seja profissional ou pessoal, e, portanto, precisamos desenvolver hábitos que nos ajudem a administrar o dia a dia. O Hábito 3 aprofunda a respeito das “Pedras grandes” e das “Pedras pequenas” em nossas vidas.

É preciso orientar aos filhos sobre como “usar” essas pedras. As pedras grandes são as coisas mais importantes para fazer, como passar um tempo com a família ou estudar. As pedras pequenas são as coisas menos importantes para fazer, como assistir TV ou gastar horas na Internet.

Desse modo, colocar o mais importante em primeiro lugar é relativo a cada situação. No entanto, em casa, o mais importante é estar em sintonia e em paz com os familiares. 

Quais são as pedras grandes e pequenas das nossas vidas?

Hábito 4 – Sobre todo mundo sair ganhando

O Hábito 4 é o do “Pense ganha-ganha”. E o que significa isso? Stephen R. Covey, que desenvolveu o conceito, explicou: “Pense ganha-ganha é um estado de espírito e coração que busca benefício mútuo e respeito mútuo. Não é pensar de maneira egoísta (ganha-perde) ou como uma vítima (perde-ganha). É pensar em termos de “nós” e não somente “eu”.

A cargo de exemplo, pense numa situação entre dois irmãos que sempre competem pelo controle remoto da TV. Há alguns resultados possíveis para esse momento: 

Ganha-perde: Um pega o controle remoto e o outro não ganha nada. (egoísmo)

Perde-ganha: Um deixa o outro pegar o controle remoto e se sente injustiçado por ficar sem o que queria. (vitimismo)

Perde: Os dois discutem e um joga o controle remoto contra a parede. Ninguém ganha nada.

Nenhuma dessas alternativas parece legal, né? Temos então a seguinte solução:

Ganha-ganha: Os dois desligam a TV e decidem ir jogar videogame. O pensamento que define é “Não é sobre você ou eu; é sobre nós dois”.

Todos ganham: todos inspirados!

 

Hábito 5 – Sobre primeiro compreender para depois ser compreendido

O Hábito 5 se trata de ouvir as ideias e os sentimentos de outras pessoas. É tentar enxergar as coisas pelo ponto de vista do outro. Escutar o que o outro tem a dizer sem interromper. É sobre olhar as pessoas nos olhos ao falar. 

Também é um hábito que tem como princípio aquilo que todos os pais se esforçam para ensinar aos filhos:  ensinar a ter confiança ao falar com as pessoas, na mesma medida em que é preciso saber da importância de ouvir os outros. 

Em resumo, é um hábito sobre comunicação. A melhor maneira de ensinar alguém a se comunicar é praticando!

Em família, é importante reservar um tempo e abrir oportunidades para que conversas sobre qualquer coisa aconteçam. Quando as pessoas se sentem valorizadas, elas se abrem. Assim como quando você se sente valorizado e realmente ouvido, você está mais disposto a compartilhar seus pensamentos e sentimentos.

Momentos para conversar com os filhos são fundamentais

Hábito 6 – Sobre criar sinergia

Uma sugestão para praticar o Hábito em família é o “Dia de Sinergia”.  Trata-se de um dia de folga (sábado ou domingo, por exemplo) para passar tempo juntos e estabelecer papéis complementares. Seja para escolher um passeio ou até mesmo para fazer uma faxina geral em casa.

No segundo caso, a sinergia seria criada da seguinte forma: enquanto um limpa a cozinha, o outro o banheiro, o outro o quarto etc. 

A sinergia está, também, nos atos do cotidiano!

Hábito 7 – Sobre afinar o instrumento

 O Hábito 7 é o hábito de cuidar do corpo e do espírito. Para isso, é preciso comer bem, fazer exercícios e ter boas noites de sono, por exemplo. É, também, um hábito para exercitar ao passar tempo com as pessoas queridas.

Em família, “afinar o instrumento” juntos está em criar e observar tradições familiares. Isso significa renovar a identidade e os laços da família. Muitos desses momentos de renovação ocorrem quando é possível dedicar tempo às “Pedras Grandes” que aprendemos no Hábito 3.

No esforço para ter equilíbrio em família, quatro áreas que constituem cada indivíduo são trabalhadas: Física (nossos corpos), Mental (nossa mente / nossos pensamentos), Emocional (nossos sentimentos) e Espiritual.

Afinando o instrumento em família!

Gostaram das nossas dicas? Deixe um comentário aqui embaixo e nos siga nas redes sociais para mais conteúdos! 

Desejamos que o Dia das Crianças e todos os dias em família sejam propícios para desenvolver e estimular hábitos socioemocionais!

Com algumas informações do Blog Internacional do Líder em Mim (Leader in Me).

Confira os projetos do Líder em Mim: https://www.olideremmim.com.br/olem_blog/lider-em-mim-em-foco/

Fotos – Divulgação

0 Comentários

Os comentários estão fechados.