FECHAR

Assine nossa newsletter:

Os caminhos para se tornar um bom ouvinte

24 ago, 2020 | Publicado por Líder em Mim

Você já parou para pensar como é muito mais fácil abrirmos a boca para falar do que apurarmos os ouvidos para escutar o que o outro tem a nos dizer? Pois é, não é exagero afirmar que escutar é uma arte, um talento que todos deveriam exercitar e buscar aprimoramento. Principalmente em tempos onde tudo é polarizado, levado aos extremos. Atualmente, carecemos de bons ouvintes e, a partir de agora, o Blog Líder em Mim vai abordar como essa virtude está diretamente ligada às habilidades socioemocionais. Mais além, como ela pode contribuir para um mundo melhor. Vamos nessa?

Buscar entendimento, oferecer atenção e atender são algumas das definições da palavra ouvir que encontramos em nossos dicionários. Por essas definições, já é possível observar que se trata de uma ação fortemente relacionada aos aspectos socioemocionais. Isso, claro, quando o ato de ouvir é realizado integralmente, ou seja, de coração aberto para receber o que o outro tem a nos falar.

Desenvolvimento da escuta

É verdade que, para alguns, a arte de ouvir é um dom, um talento nato. Porém, para a maioria das pessoas, é uma ação que necessita de tempo, conhecimento e treino para ser desenvolvida. Sim, assim como acontece em algumas habilidades socioemocionais, podemos exercitar nossos ouvidos e aprimorá-los para que eles funcionem no modo acolhedor, da maneira como nossos dicionários dão o significado à palavra.

A primeira etapa no desenvolvimento da escuta passa necessariamente pelo autoconhecimento. Afinal, é fundamental primeiro saber ouvir a si próprio, usar a autoconsciência e a partir dela aprimorar os ouvidos para o outro. O autoconhecimento nos permite abrir a mente, ampliar conceitos e captar as mensagens que nos são transmitidas, itens imprescindíveis ao bom ouvinte.

A apuração da autocrítica é outro passo muito importante no desenvolvimento da arte de ouvir. A reflexão acerca do próprio comportamento, bem como a constante avaliação sobre cada atitude tomada permitem a compreensão das diferentes situações que surgem em nossas vidas. A autocrítica ajuda a fomentar nossa vivência, amplia nosso repertório, o que também faz a diferença a quem deseja ser um ouvinte melhor.

Autocrítica e autoconhecimento: essenciais para o bom ouvinte

Autoconhecimento e autocrítica: essenciais para o bom ouvinte

Empatia: item que não pode faltar

A terceira etapa envolve uma palavra muito presente nas matérias que você encontra no Blog Líder em Mim: empatia. Essa é uma virtude presente em toda pessoa que domina e pratica a arte do bem escutar. Afinal, quem sabe ouvir, consegue verdadeiramente se colocar no lugar do outro.

Pessoas empáticas possuem a flexibilidade necessária no desempenho da arte de ouvir. Isso porque enquanto se coloca no lugar de ouvinte, consegue construir a situação vivida pelo outro. Mais além, consegue projetar-se no lugar do próximo e efetivamente dar o acolhimento esperado ou achar, juntos, o melhor entendimento.

Leia também: A bondade que conecta!

É possível treinar os ouvidos?

Autoconhecimento, autocrítica e empatia. Como dissemos acima, esses são três elementos fundamentais no desenvolvimento da escuta. Mas, como toda arte complexa que é, a escuta requer algo mais, que é o treino. Parece estranho, mas para ser um bom ouvinte é preciso treinar e aperfeiçoar a audição. Existem algumas estratégias para isso e nós compartilhamos contigo a seguir:

Atenção total

Quando se dispuser a ouvir o que outra pessoa tem a dizer, faça com total atenção. O que isso significa? Evite qualquer tipo de distração. Esqueça televisão, celular ou outro objeto que possa concorrer com a mensagem a ser ouvida. Esse cuidado ajuda a concentrar a escuta que, com o tempo, é aprimorada. Mais além, sem distrações, você consegue não apenas usar os ouvidos para escutar, como também outros sentidos. Sim, o bom ouvinte também usa a visão, o gesto e o coração em sua escuta.

Tenha paciência

A paciência é outra importante virtude que pode ser desenvolvida. Normalmente, não conseguimos deixar a pessoa com quem conversamos concluir um raciocínio. Logo interrompemos, achando que estamos prontos para comentar, para dar nossa opinião sobre o que está sendo tratado. Essa pressa é vista como um obstáculo na verdadeira arte de escutar. Como, então, podemos treinar essa paciência? A resposta é: exercitando a calma e o silêncio, quando eles devem prevalecer.

Também é necessário paciência e total atenção ao interlocutor

Também é preciso paciência e total atenção ao interlocutor; por isso, evite distrações enquanto ouve alguém

Ainda que discorde do que está sendo dito, evite interromper. Deixe que o outro passe toda a mensagem. Com calma e em silêncio, aguarde que a ideia seja passada completamente. Além de mostrar respeito e valorizar o que a pessoa tem a dizer, esse tempo pode ser usado para a compreensão profunda do tema. Esse entendimento é essencial para que você possa construir de maneira mais sólida e consistente a sua opinião e dar o entendimento desejado pelo interlocutor.

Aqui, vale destacar mais uma vez a importância da empatia. Esteja livre de preconceitos ou de opiniões pré-definidas. Ouça com calma, pondo-se no lugar do interlocutor. Esse cuidado faz parte do treino da paciência e faz toda a diferença para se tornar um bom ouvinte.

Questione

Antes de emitir uma opinião, certifique-se que realmente entendeu a mensagem do outro. É muito importante compreender e, para isso, não hesite em questionar. Evite interpretar. Pergunte, peça para repetir e reforce os pontos que eventualmente geraram dúvidas. Não tenha vergonha de confirmar as informações e ter segurança para então responder ou emitir sua opinião.

Esses são os caminhos para que todos nós possamos nos tornar bons ouvintes. Com dedicação, treino e algumas das habilidades socioemocionais destacadas nas linhas acima, podemos aprimorar nossos ouvidos. O resultado desse esforço será mais compreensão e mais compaixão entre as pessoas.

Ao ouvirmos mais, alcançamos maior entendimento e respeitamos mais as diferenças. É nelas, inclusive, que também se encontram as belezas da vida e um mundo melhor para se viver e conviver.

Ao ouvirmos, alcançamos maior entendimento e respeitamos mais as diferenças

Ao ouvirmos mais, alcançamos maior entendimento e respeitamos mais as diferenças

Veja mais matérias sobre habilidades socioemocionais aqui.

Fotos – Unsplash

0 Comentários

Os comentários estão fechados.