O que (e como) é ser criança nos tempos atuais?

Líder em Mim

23 de outubro de 2019

Compartilhe:

Ser criança, hoje, pode ter uma definição adequada em duas palavras: oportunidade e desafio. Oportunidade pois, em relação ao desenvolvimento tecnológico, temos crianças que, pelo contexto da época, foram além dos limites do tempo e do espaço, afinal, tudo é muito rápido, tudo é aprendido e assimilado em tempo real. Os limites entre o que está próximo ou distante são ultrapassados.

Com a socialização digital, crianças conhecem culturas, lugares e interagem com pessoas, inclusive com familiares, de maneira rápida, simples e, para eles, muito natural. É habitual ver crianças que conversam com avós, tios e primos distantes, utilizando apenas um recurso tecnológico.

Criança cresce on-line

Criança no mundo digital

Por outro lado é um grande desafio, pois com a velocidade imposta pela evolução tecnológica, os estímulos virtuais estão presentes na vida das crianças. É comum (vale lembrar que o comum não significa, necessariamente, que é correto) ver uma criança com mais frequência no quarto, jogando algum game, assistindo vídeos ou conversando com os amigos, que também estão, da mesma forma, limitados a um espaço virtual, sem a presença real de alguém para brincar.

Confira como utilizar de maneira responsável as redes sociais

Criança em tempos digitais e o socioemocional

Diante dessa realidade, tão diferente das gerações anteriores, é possível desenvolver com as crianças conceitos de cidadania, respeito, cooperação e responsabilidade, que são aspectos fundamentais para o desenvolvimento socioemocional?

Não só é possível, como vital – aliás, em todas as esferas da vida. É necessário, portanto, refletir sobre isso, pois o avanço tecnológico é um caminho sem volta. No contexto sociocultural, é importante inserir, sim, a criança neste meio, mas sem deixar de lado as relações humanas e brincadeiras que só são possíveis ter nesta etapa da vida.

No espectro pedagógico, um dos meios é estabelecer metas para as atividades escolares, desenvolvendo a responsabilidade nos projetos de vida da criança. Em família, ter momentos para conversar sobre os sonhos e objetivos dos filhos, bem como refletir sobre o futuro e as expectativas deles, sem julgamentos, assim, contribuímos com o autoconhecimento, o autocuidado, a responsabilidade e o poder de argumentar e expor suas ideias para outras pessoas.

O mundo muda, os valores humanos não. O desenvolvimento socioemocional é atemporal.

Crianças em família

Crianças em família

Quer ver mais notícias sobre o universo das competências socioemocionais? Acesse https://www.olideremmim.com.br/olem_blog/socioemocional-ao-pe-da-letra/

Compartilhe: